O Corte do Zumbi

agosto 24, 2011

A vida como ela é

Filed under: Uncategorized — Binho @ 1:30 am

Esses textos foram retirados do site brasil247.com.br…

Nelson Rodrigues uma surra na cara da sociedade…

Daqui a um ano o Brasil celebrará o centenário de nascimento do escritor, jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues. Nascido em Recife em 1912, ele viveu a maior parte de sua vida no Rio de Janeiro, onde morreu em 1980. Os preparativos para a data já estão a pleno vapor e incluem um blog com textos inéditos do autor criado pela filha dele, Sonia, a reedição de sua obra e montagens teatrais. O blog integra o site nelsonrodrigues.com.br. que prepara-se para divulgar entre hoje e o centenário um amplo arquivo de textos, áudio e imagens acessível aos internautas. Além de seus livros, peças e artigos da coluna “A vida como ela é”, Nelson ficou famoso por suas falas inspiradas, muitas vezes preconceituosas e machistas.

Despertou a fúria de feministas – e das pessoas de bom senso – ao lançar a famosa “toda mulher gosta de apanhar, só as neuróticas reagem”. Apaixonado pelo Rio de Janeiro, não se intimidou em mandar esta sobre os moradores de São Paulo: “A companhia de um paulista é a pior forma de solidão”. Apaixonado por futebol, ele gostava de dizer que “O Fluminense é o único tricolor. Os outros são times de três cores”. Especialista em metáforas futebolísticas, Nelson soterrou o seu moralismo atávico dizendo: “Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos.”

Nossa ficção é cega para o cio nacional. Por exemplo: não há, na obra do Guimarães Rosa, uma só curra.

Não reparem que eu misture os tratamentos de tu e você. Não acredito em brasileiro sem erro de concordância

Toda mulher bonita é um pouco a namorada lésbica de si mesma

Só o inimigo não trai nunca.

Se todos conhecessem a intimidade sexual uns dos outros, ninguém cumprimentaria ninguém.

Não se apresse em perdoar. A misericórdia também corrompe.

Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.

O marido não deve ser o último a saber. O marido não deve saber nunca

Não admito censura nem de Jesus Cristo

Eu me nego a acreditar que um político, mesmo o mais doce político, tenha senso moral

Um Garrincha transcende todos os padrões de julgamento. Estou certo de que o próprio Juízo Final há de sentir-se incompetente para opinar sobre o nosso Mané.

A dúvida é autora das insônias mais cruéis. Ao passo que, inversamente, uma boa e sólida certeza vale como um barbitúrico irresistível.

Toda coerência é, no mínimo, suspeita.

A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: – o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão.

Toda a história humana ensina que só os profetas enxergam o óbvio.

Ou a mulher é fria ou morde. Sem dentada não há amor possível.

No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte.

A morte de um velho amigo é uma catástrofe na memória. Todas nossas relações com o passado ficam alteradas.

Não ama seu marido? Pois ame alguém, e já. Não perca tempo, minha senhora!

A verdadeira grã-fina tem a aridez de três desertos.

No passado, a notícia e o fato eram simultâneos. O atropelado acabava de estrebuchar na página do jornal.

Um filho, numa mulher, é uma transformação. Até uma cretina, quando tem um filho, melhora.

Natal já foi festa, já foi um profundo gesto de amor. Hoje, o Natal é um orçamento.

Enquanto um sábio negro não puder ser nosso embaixador em Paris, nós seremos o pré-Brasil.

Se eu tivesse que dar um conselho, diria aos mais jovens: – não façam literatice. O brasileiro é fascinado pelo chocalho da palavra.

Quero crer que certas épocas são doentes mentais. Por exemplo: – a nossa.

Desconfio muito dos veementes. Via de regra, o sujeito que esbraveja está a um milímetro do erro e da obtusidade.

Falta ao virtuoso a feérica, a irisada, a multicolorida variedade do vigarista

agosto 16, 2011

A mente do gene da gente

Filed under: Uncategorized — Binho @ 5:29 pm

Tô cansado…Mas não é um cansaço, é um desânimo…Mas não é um desânimo…Quem é que tá botando dinamite na cabeça da século?

agosto 15, 2011

Right Survive Skills

Filed under: Uncategorized — Binho @ 1:27 pm

O amor Maria não é uma palavra sublime
É um verbo, requer ação.

agosto 12, 2011

Uuuuuu and it makes me wonder

Filed under: Uncategorized — Binho @ 9:37 pm

Deslocado?!…Há muito o que se indagar sobre as concumitancias(citando o lula) diárias da manada sócio escravizada galerê dessa merda de caralho de porra de bosta de porcaria de buceta de cu de lazarenta juventude que não pensa.

Pense…aliás não pense. Apenas contrarie toda essa merda

agosto 5, 2011

Love you soo much it makes me sick

Filed under: Uncategorized — Binho @ 6:42 pm

Cadê o efeito werther da morte da Amy?!…

agosto 4, 2011

Resumos II

Filed under: Uncategorized — Binho @ 4:10 pm

A vida é um ectoplasma

é real

Resumos I

Filed under: Uncategorized — Binho @ 3:46 pm

A vida cabe
não nas escolhas
Nas possibilidades.

agosto 1, 2011

Anti orgasmo!

Filed under: Uncategorized — Binho @ 1:00 pm

A thousand flowers could bloom

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.